22-03: Facebook – na vida tudo passa

As linhas: “1 entre 16 usuários deixou de usar o Facebook nos Estados Unidos desde dezembro de 2012. No total, 10,6 milhões de americanos pararam de acessar o site no período. Essa foi a maior queda em números absolutos registrada no mundo e a maior no país desde 2011. 1 entre 4 usuários abandonou o site no Japão, o que representa a queda mais acentuada já registrada lá. Proporcionalmente, esse foi o maior declínio entre os países com mais de 1 milhão de contas. 31 países têm pelo menos metade de sua população cadastrada no Facebook. Apenas em oito deles houve aumento de audiência nos últimos três meses.” (Fonte: Veja, Números, 20 de março de 2013)

As entrelinhas: É o efêmero dos dias de hoje. Coincidentemente eu estava em NY, em meados de maio passado, quando as ações da empresa foram ofertadas ao público (IPO), em meio a grande pompa. Wall Street engalanada, Zuckerberg direto da Califórnia em telões espalhados por Manhattan. Três dias depois do lançamento as ações caíram 18,5%, de US$ 38.00 para US$ 31.00 (ontem estavam cotadas a US$ 25.75/ação). Já era sinal do grau de risco que existe nestas chamadas redes sociais (veja-se Orkut, MySpace e outros).  Mesmo “…porque na vida tudo passa, não importa o que tu faça, o que te fazia rir, hoje já não tem mais graça. Tudo muda, tudo troca de lugar… “(NX Zero).

21-03: Choque de Poderes

As linhas: “A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia concedeu uma  liminar na noite desta segunda-feira que suspende os efeitos da nova lei dos  royalties do petróleo, que alterou os critérios de distribuição entre os  Estados. A liminar atendeu um pedido do governo do Rio de Janeiro, que entrou no  STF com uma ação direta de inconstitucionalidade contra a nova lei. A norma foi publicada no Diário Oficial da União na sexta-feira, 15. No mesmo  dia, os governos do Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo, principais  Estados produtores, recorreram ao STF contra as mudanças, como haviam anunciado  que fariam caso o Congresso derrubasse os vetos da presidente Dilma Rousseff.” (Fonte: Valor, anunciando decisão provisória sobre a polêmica discussão a respeito da distribuição dos royalties do petróleo)

As entrelinhas: Não vamos nos concentrar no debate sobre o tema da divisão dos royalties em si. Pessoalmente tenho opinião consolidada sobre isto: o sistema que está sendo aplicado para os campos de petróleo em produção fica como está, direito adquirido! Os royalties sobre novos campos, incluindo os do pré-sal entram em um sistema de partilha mais amplo. O que pretendo trazer à discussão é este salutar, porém delicado, exercício de  distribuição de forças entre os três Poderes da República. Há pouco tivemos o embate sobre a faculdade do Supremo em decidir pela cassação dos mandatos dos Deputados condenados no processo do “mensalão”. Agora este novo e importante assunto que impacta a economia do País todo é razão para decisões conflitantes entre Executivo, Legislativo e Judiciário. A acompanhar…

20-03: As pérolas do Enem: “trousse”, “enchergar” e “rasoavel”

As linhas: “‘Rasoavel’, ‘enchergar’, ‘trousse’. Esses são alguns dos erros de grafia  encontrados em redações que receberam nota 1.000 no Exame Nacional de Ensino  Médio 2012 (Enem). Durante um mês, O Globo recebeu mais de 30 textos enviados  por candidatos que atingiram a pontuação máxima, com a comprovação das notas  pelo Ministério da Educação (MEC) e a confirmação pelas universidades federais  em que os estudantes foram aprovados. Além desses absurdos na língua portuguesa,  várias redações continham graves problemas de concordância verbal, acentuação e  pontuação.” (Fonte: globo.com, texto que foi reproduzido extensivamente nos últimos dias).

As entrelinhas: A língua pátria tem sido ultrajada, não é de hoje. Inicialmente o problema crônico da falha na educação de base. Em segundo lugar a falta de leitura, que aliás nunca foi hábito muito cultivado por nós brasileiros. Depois criam um Acôrdo Ortográfico da Língua Portuguesa (que acabo de descobrir, só entra em vigor no Brasil em 2016!). Mais ainda, outro grande problema: a difusão dos meios de comunicação escrita via smartphones, twitters, MSNs e outros gadgets (que se traduz por geringonças), que induzem as pessoas, em particular os jovens (muitos já não são tão jovens assim) a abreviar as palavras de uma forma incompreensível para um ser humano normal, criando um novo dicionário. Em outras palavras, a situação só tende a piorar…

19-03: Francisco, o Jesuíta

As linhas: “No início da missa inaugural do novo ministério petrino, na manhã desta terça-feira, o papa Francisco recebeu das mãos do cardeal francês Jean-Louis Tauran o pálio, símbolo do bom pastor, e das mãos do cardeal camerlengo, Angelo Solano, o anel de pescador. Enquanto a peça de lã simboliza a ovelha desgarrada e carregada nos ombros pelo bom pastor, o anel representa o compromisso, a entrega e a dedicação do papa à frente da Igreja Católica.” (Fonte: UOL/Folha, explicando a simbologia do anel e pálio na data em que o novo Papa inicia oficialmente seu pontificado).

As entrelinhas:  A eleição do ex-cardeal Bergoglio, primeiro papa latino-americano, primeiro representante  da Companhia de Jesus (fundada por Inácio de Loyola no século XVI), primeiro a adotar o nome Francisco (por São Francisco de Assis, o Santo dos pobres), não foi surpresa para quem se recorda do conclave que elegeu Bento XVI. Ela vem de encontro a tudo que a Igreja Católica necessita neste momento crucial de sua existência. Não se aguarde modificações na doutrina da Igreja; espere-se mais compreensão e mais proximidade com os fiéis. Papa Francisco, seguindo a linha dos Jesuítas, vai marcar sua passagem com a volta do missionário, a dedicação aos pobres e a propagação da fé. Vai enfrentar, com seus hábitos espartanos e carisma inesperado, a Cúria Romana e sua burocracia, de quem êle sempre manteve prudente distância. Amém!

18-03: Eike foi a Esteves ou BTG veio às X?

As linhas:Nos últimos 12 meses as cinco companhias ‘X’ listadas na bolsa brasileira perderam R$ 54 bilhões em valor de mercado. Sob pressão, Eike firmou um acordo com o banco BTG Pactual de André Esteves, que há uma semana passou a prestar ‘consultoria’ para o grupo EBX – a holding de Eike. A entrada do banco teria acelerado a negociação com os alemães, que estava emperrada.” (Fonte: Estadão, comentando sobre a formação de joint venture da E.ON na empresa MPX)

As entrelinhas: Este movimento, mais um de impacto criado pelas empresas X, tem um significado novo na acelerada vida empresarial de Eike Batista. Pela primeira vez fica claro que – após tantas trocas de comando em suas empresas – Eike foi buscar auxílio naquele que é o grande intelecto do mundo de negócios de hoje, André Esteves. Fica a pergunta: arguto como é o dono do BTG Pactual, não terá sido êle quem procurou Eike e ofereceu toda a gama de produtos que pode agregar ao momento crucial que afeta as empresas X? Ambos são “aviões”, como se diz na gíria empresarial. A diferença é que Eike está absolutamente encurralado e Andrés cruzando céu de brigadeiro. Parceria a ser acompanhada…

17-03: A Ferrari favorece Alonso?

As linhas: “Para o brasileiro, ficou a sensação de que o pódio era possível. Ele saltou da quarta para a segunda posição na largada e se posicionou logo à frente do companheiro de equipe nas primeiras voltas. Alonso pressionou, mas desta vez Massa não cedeu. O espanhol só ganhou a posição por ter parado antes em seu segundo pit stop, tendo sido favorecido pela estratégia. Prejudicado por ela, Felipe chegou a reclamar com seu engenheiro Rob Smedley pelo rádio: ‘E agora, o que fazemos?’. (fonte: UOL, comentando o resultado do GP da Austrália, o primeiro do ano, onde Alonso foi segundo e Massa o quarto classificado).

As entrelinhas: Claro que favorece. Assim como a RBR protege Vettel, como a Lotus favorece Raikonnen e por aí em diante. Vamos deixar de lado o romantismo e esquecer do tempo em que Senna e Prost corriam pela mesma equipe, em condições iguais. Hoje é puro business e ponto final. As equipes de ponta tem primeiro piloto e escudeiro. Dom Quixote e Sancho Pança. A diferença de premiação, ao final da temporada, atribuída à equipe campeã e à vice é enorme, e sucessivamente – muito maior do que o prazer de ter o número 1 na fuselagem do bólido no ano seguinte. Portanto, “trabalho em equipe” é o nome do jogo e não adianta mimimi.

Blog do Paulo Costa – Linhas & Entrelinhas

Inicio hoje uma nova aventura pessoal no mundo dos blogs. Acrescentando ao meu BioAgroEnergia do portal Exame.com (no ar desde abril de 2010) e ao Política e Economia Agrícola do Agroblog, publico estes escritos pessoais, que vão falar de futebol e religião, economia e carnaval, gastronomia e política – e tudo o mais que é notícia e como vejo o que se publica. Breves posts, diretos ao ponto.
Linhas são as notícias como publicadas. As entrelinhas a maneira como as interpreto. Uma forma minha de expressar opiniões e montar como que um diário dos acontecimentos que constroem este mundo veloz em que se vive hoje.

São Bento do Sapucaí, por Nina Amado, minha filha que construiu esta página para mim!

São Bento do Sapucaí, por Nina Amado, minha filha que construiu esta página para mim!