19-06: Manifestações – explicando ao Ministro

raul-seixasAs linhas: “Não conseguimos entender o que está ocorrendo ainda. São novas formas de organização de mobilização que ainda não compreendemos”. (palavras do ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, expressando a estranheza do Governo Federal com as seguidas manifestações de rua que ocorrem em todo o Brasil).

As entrelinhas: Excelentíssimo Senhor Ministro, tenho certeza que V.Exa. cometeu um ato falho. Logo em seguida a sua chefe, a Presidenta Dilma Rousseff, leu com todas as letras um discurso em que lhe explica o motivo pelo qual o povo está tão bravo. Eu vou colaborar com a digna Presidenta e repetir para V.Exa. uma carta que recebi hoje de meu plano particular de saúde: ” Comunicamos que o seu plano de assistência à saúde, coletivo por adesão, mantido pela Qualicorp com a Sul América Seguro Saúde S.A. sofrerá reajuste de 14,13% (Quatorze inteiros e treze centésimos por cento) sobre todos os preços, planos e faixas etárias, a partir de julho de 2013. A aplicação do reajuste anual respeita todas as regras e a periodicidade estabelecidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para os planos coletivos por adesão.” (negritos da carta)

Exmo. Ministro, quer que desenhe? Li em algum lugar que a inflação oficial do período foi de 6,5%, exatamente, com absoluta precisão, no tal “teto da meta”. Isto é apenas um, unzinho motivo pelo qual todo brasileiro que raciocina minimamente está cansado de fazer papel de idiota. Se tiver interesse, posso lhe dar mais n razões para esclarece-lo melhor. Enquanto isto vou usar um trecho do fabuloso Raul Seixas, que demonstra a antiguidade dos problemas, que se fizeram agravar exponencialmente nos últimos tempos:

“Pare o mundo que eu quero descer, por que eu não aguento mais noticias de corrupção, violência que não param de aumentar. E pensar que a poluição contaminou até as lágrimas e eu não consigo mais chorar. E ainda por cima: ter que pagar pra nascer, ter que pagar pra viver, ter que pagar pra morrer.Tá tudo errado, tá tudo errado. Desorientado, cego vivo enquanto eu vou ficando aqui parado. Tá tudo errado, tá tudo errado.”

Foto de Raul Seixas encontrada em rollingstones.uol.com.br

Advertisements

17-06: Vista sua janela de branco

janelaAs linhas: Vista sua janela de branco! Se puder, saia às ruas. Se não puder vem pra janela – vamos mostrar que este movimento que está tomando conta do Brasil é espontâneo, e vem de um país cansado de tolerar a ineficácia do poder público. Publique sua foto com a hashtag #VemPraJanela. (Fonte: Convocação circulando pelas redes sociais, com alto grau de adesão – ato marcado em SP para 17 de junho, segunda-feira)

As entrelinhas: Quando os movimentos de rua começaram, em São Paulo, Rio de Janeiro e em seguida espalhando por Curitiba, BH e Porto Alegre já ficou a sensação de que não estávamos falando de um protesto contra os R$ 0,20 de aumento no preço das tarifas de ônibus do SP e Rio. A CNN escreveu (tradução livre) o que Linhas & Entrelinhas gostaria de dizer. Desculpem, é longo, fugindo ao nosso padrão, mas vale a pena ler:

“Os protestos que estão acontecendo no Brasil vão muito além do aumento de 0,20 no transporte público. O Brasil está atualmente experimentando um colapso generalizado na sua infraestrutura. Existem problemas nos portos, aeroportos, transporte publico, saúde e educação. O Brasil não é um país pobre e os impostos são extremamente altos. Os brasileiros não veem razão para ter uma infraestrutura tão ruim enquanto existe tantos impostos sendo pagos. Nas capitais dos estados as pessoas gastam até quatro horas por dia no transito, ou em seus carros ou no transporte publico lotado e de péssima qualidade.
O governo brasileiro tomou medidas paliativas para controlar a inflação, cortando impostos, e ainda não percebeu que é preciso mudar o paradigma focando na infraestrutura. Ao mesmo tempo o governo brasileiro está reproduzindo em uma escala menor o que a Argentina fez alguns anos atrás: evitando a austeridade e combatendo o aumento da taxa de juros SELIC, o que está levando ao aumento da inflação e ao pequeno crescimento.
Além do problema da infraestrutura, existem vários escândalos de corrupção que continuam sem julgamento, e os casos sendo julgados tendem a acabar com a liberação dos acusados. O maior caso de corrupção da história brasileira finalmente acabou com os acusados sendo condenados e agora o governo está tentando reverter o julgamento manobrando emendas constitucionais inacreditáveis: uma delas é a PEC 37, que visa aniquilar os poderes de investigação da promotoria publica, delegando a responsabilidade pelas investigações exclusivamente à Policia Federal. Mais ainda, outra proposta visa submeter as decisões da Suprema Corte ao Congresso – numa violação sem precedentes dos três poderes.  Estas são, de fato, as revoltas dos brasileiros.  Estes protestos não são meramente isolados, movimentos da extrema esquerda ou da extrema direita como alguns órgãos de imprensa afirmam. Não é um rebelião de jovens. É a manifestação da parte mais intelectualizada da sociedade que quer colocar um ponto final nestes assuntos. A classe média nacional, que sempre esteve insatisfeita com o esquecimento político, agora “acordou” – nas palavras daqueles que protestam.”

11-06: Afif, vaidade e mau exemplo

afifAs linhas: “A presidente Dilma Rousseff exonerou, a pedido, Guilherme Afif Domingos (PSD) do cargo de ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa. O decreto da exoneração foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União na sexta-feira.  Mas a exoneração é temporária, já que Afif deve reassumir a função a partir da próxima quinta-feira, tão logo o governador Geraldo Alckmin retorne da França, para onde viajou neste domingo para apresentar a candidatura da capital paulista como sede da Expo 2020. Com a medida de Dilma, Afif Domingos poderá assumir como governador em exercício de São Paulo. Para pedir a exoneração do cargo, Afif se baseou em parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) que informou que ele pode ser vice-governador e ministro, desde que deixe a função em nível federal ao assumir o governo interinamente.” (Fonte: Zero Hora, de Porto Alegre)

As entrelinhas: A função destas entrelinhas é tentarmos ler o que não está óbvio nas linhas! Neste caso, não temos entrelinhas pois tudo está escrito claramente. Fica apenas o convite à reflexão: esta atitude de um político como Guilherme Afif Domingos é a) uso normal do “jeitinho” brasileiro de se viver; b) aplicação prática e integral da “Lei de Gérson”*, que imortalizou o craque Gérson de Oliveira Nunes; c) atividade didática para aplicação nas Faculdades de Direito do Brasil, mostrando como se deve conhecer as leis para saber como burla-las; d) todas as opções anteriores. Não seria muito mais simples e objetivo relembrar Getúlio Vargas e dizer, “A Lei, ora a Lei…”? Como ninguém mais se importa, mesmo…

* a Lei de Gérson é um princípio em que determinada pessoa age de forma a obter vantagem em tudo que faz, no sentido negativo de se aproveitar de todas as situações em benefício próprio, sem se importar com questões éticas ou morais (Wikipédia).