03-07: Franz Kafka é homenageado pelo Doodle

KafkaAs linhas: ” Franz Kafka, famoso escritor de ficção do século XX, é o homenageado do Doodle* de quarta-feira (03-07-2013) em comemoração ao seu 130º aniversário. O personagem Gregor Samsa, protagonista da obra ‘A Metamorfose’, marcou a cultura literária ocidental. Kafka, que fez outros clássicos de sucesso, como ‘O Processo’ e ‘Carta ao Pai’, se destaca por ter escrito dramas que envolvem conflitos existenciais. As figuras que ilustram as letras do Google são inspiradas no livro ” Metamorfose”, novela escrita em 1912. A narrativa é sobre Gregor Samsa, um homem que se vê em um pesadelo após acordar: seu corpo transforma-se em um inseto asqueroso, algo parecido com uma barata. A metáfora usada por Kafka  aborda a sensação de inferioridade do filho na relação com a figura paterna. (Fonte: www.techtudo.com.br, por Milena Pereira)

As entrelinhas: Franz Kafka, nascido em Praga em 3 de julho de 1883, formado em direito, teve uma educação marcada por reflexões acerca da opressão burocrática das instituições, da justiça e de seus reflexos na fragilidade do homem comum diante de problemas cotidianos. Chamou-me a atenção o Doodle de hoje pois remeteu-me ao primeiro livro profundo que li em minha juventude, em uma “só tacada”, tirou-me muitas noites de sono e até hoje, tantos anos passados, ainda volta a meu pensamento. Foi para minha maneira de enxergar a vida, uma verdadeira metamorfose, literalmente. Quem ainda não teve a oportunidade de ler Kafka, fica aqui o convite. Mas prepare sua alma pois ele vai mudar muitos de seus conceitos! Incrível como, mais de um século passado desde seu lançamento, este livro mantém-se tão atual.

* Google Doodles são as interessantes, muitas vezes divertidas, versões modificadas do logotipo do Google, usadas especialmente para feriados, aniversários de pessoas famosas e eventos importantes. The Burning Man Festival de 1998 (um festival de contracultura realizado anualmente no norte do estado de Nevada, nos EUA) testemunhou o nascimento da primeira Google Doodle

Advertisements

23-05: Cinema – “Intouchables”, França 2011

intocaveis3As linhas: “ Após um acidente de parapente, Philippe, um rico aristocrata, contrata Driss, um jovem recém-saído da prisão para ser seu cuidador. Em outras palavras, a pessoa menos apropriada para o trabalho. Juntos, irão misturar Vivaldi e a banda Earth, Wind & Fire, dicção elegante e jazz de rua, ternos e calças de moletom. Dois mundos vão colidir e chegar a um acordo para que nasça uma amizade tão louca, cômica e forte quanto inesperada, uma relação única que irá criar faíscas e torná-los intocáveis. ”  (Fonte: Guia da Semana)

As entrelinhas: Colocando em dia minha enorme coleção de “filmes imperdíveis que não assisti” recebi indicação de uma das filhas em “dar uma chance” para “Intocáveis”. Como o filme foi visto por um milhão de pessoas no Brasil, vinte milhões na França e 32.5 milhões na Europa, não me atrevo a fazer nova análise aprofundada. Vou apenas colocar em seguida os adjetivos e frases que fui rabiscando em um caderno à medida que ele se desenrolava, até que uma lágrima furtiva me impediu de escrever a última linha. Recomendo-o fortemente. “Inspirado em história real, trilha musical absolutamente coordenada com o espírito do filme, desconcertante, realista, relação impensável e improvável, dor da perda íntima sobrepondo-se à dor física, mágico, irreverente, a partida e a volta, a boa índole das pessoas superando as adversidades,  a sinfonia dos parapentes, o recomeço inesperado”.

Nota: As duas pessoas em cujas vidas o enredo está baseado publicaram livros, ambos traduzidos em Português. Quem quiser conferir procure por “O segundo suspiro”, de Philippe Pozzo Di Borgo, e “Você mudou a minha vida” de Abdel Sellou.

Foto: Os verdadeiros Phil e Abdel nos dias de hoje, encontrada em commons. wikimedia.

22-05: Despedindo de Ruy Mesquita

OESPAs linhas: “ O jornalista Ruy Mesquita, diretor de “O Estado de S. Paulo”, morreu nesta terça-feira, 21, às 20h40, em São Paulo. Ele estava internado no hospital Sírio-Libanês desde 24 de abril. Ruy Mesquita foi o responsável pela seção de opinião do Estadão desde a morte do irmão Julio de Mesquita Neto, em 1996. O jornalista manteve sua rotina de trabalho até a véspera da internação, se reunindo com os editorialistas para definir as “Notas & Informações” da página 3 do jornal. Seguindo a tradição da família, Ruy Mesquita foi um defensor da liberdade, da democracia e da livre-iniciativa, princípios que sempre nortearam a linha editorial do Estado. Ao longo de seus 88 anos, teve participação ativa em momentos importantes da história do Brasil e da América Latina. ” (Fonte: OESP)

As entrelinhas: Aprendi a ler n’ O Estado de São Paulo. Literalmente. Meu avô Antônio Ferreira da Costa, português de nascimento, foi correspondente do jornal em nossa cidade de Amparo por mais de 50 anos. Ser correspondente não era só enviar as notícias para São Paulo. Implicava em coletar assinaturas, contratar os meninos que distribuíam o jornal e esperar o trem da Mogiana, diariamente, às cinco da manhã, para receber os jornais do dia. Esta paixão que ele nutria pelo Estadão passou para todos da família e nossas linhas de pensamento acabaram por ser moldadas, felizmente – penso eu, pela leitura diária dos escritos da família Mesquita. Parte mais um democrata, um grande formador de opinião, um apaixonado pelo Brasil.

14-05: Salve Jorge, a oportunidade perdida

São JorgeAs linhas:  ” Nesta semana chega ao fim a novela mais bombardeada dos últimos tempos na televisão brasileira. ‘Salve Jorge’ e sua autora, Gloria Perez, que desviou da blindagem oferecida pela TV Globo e deu a cara à tapa nas redes sociais, foram vítimas de um dos mais poderosos e destacados personagens desse folhetim: o público.  O folhetim de Gloria Perez será sim lembrado, só não exatamente se tem a certeza de que será uma lembrança boa. Mas o que o público vai lembrar quando se falar da novela daqui a alguns anos? É possível fazer uma projeção com base no que repercutiu, caindo na mídia e causando discussões. ‘Salve Jorge’ teve erros gritantes de continuidade, que não costumamos ver na Globo com tanta frequência. A novela apresentou em seu roteiro situações complicadas, indigeríveis, que causaram ruídos até no telespectador menos atento.” (Fonte: crítico Breno Cunha, em Na Telinha)

As entrelinhas: Infelizmente Gloria Perez perdeu grande oportunidade de expor em uma maneira mais clara o grande problema que afeta a humanidade desde muitos séculos e que ganhou contornos “modernos” desde a Revolução Industrial. Com o poderoso elenco que a Globo tem em mãos, toda a sua capacidade técnica e particularmente equipes de apoio imbatíveis na produção de novelas, a autora se perdeu em uma história relativamente banal, sem conseguir criar personagens que prendessem o cativo público da eterna “novela das oito”. Do desempenho abaixo da crítica do folhetim  salvaram-se o charme e a personalidade criadas para a Delegada Helô e o curioso Pescoço. Muito pouco para quem poderia ter explorado várias outras facetas deste submundo do tráfico humano, que segundo estatísticas mais confiáveis (ah!, as estatísticas) atingem mais de dois milhões de pessoas ao redor do mundo. Aqui mesmo, sob nossos olhares, sabemos de casos tristes acontecendo nas esquinas e em indústrias semiclandestinas, onde a escravidão ainda é uma dura realidade.

Gravura: Google Imagens

12-05: Dia das Mães

mãe e filhoAs linhas: Anna Maria Jarvis, nascida em 1864 no Estado da Virgínia é reconhecida como idealizadora do Dia das Mães nos Estados Unidos. A idéia surgiu a partir de um episódio ocorrido na vida pessoal de Jarvis, a morte da mãe em 1905. As amigas, muito preocupadas com seu estado depressivo depois do fato, fizeram uma festa para eternizar o dia. Anna quis que a celebração fosse estendida a todas as mães. Depois de lutar três anos para oficializar a data, finalmente, em 26 de abril de 1910, o governador da Virgínia Ocidental, William E. Glasscock, acrescentou o Dia das Mães ao calendário de datas comemorativas daquele estado. Em 1914 o presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson formalizou a data em todo o território nacional. No Brasil, em 1932, o então presidente Getúlio Vargas oficializou o Dia das Mães para o segundo domingo de maio.” (Fonte: Wikipédia)

As entrelinhas: Hoje a data ganhou tal conotação comercial que é o segundo maior dia de vendas do varejo brasileiro, depois apenas do Natal. Na verdade isto não é novidade. Na década de 1920, a própria criadora Anna Jarvis ficou incomodada com a comercialização do feriado e pediu sua extinção. Mas vamos aqui buscar o sentido verdadeiro desta comemoração e homenagear todas as mães, presentes, distantes ou que já partiram, amorosas ou inflexíveis, dedicadas ou ausentes. Não importa, todas são únicas. Vamos recorrer a Carlos Drummond de Andrade, com seu poema “Para Sempre”:

“Por que Deus permite que as mães vão-se embora? Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e chuva desaba, veludo escondido na pele enrugada, água pura, ar puro,  puro pensamento. Morrer acontece com o que é breve e passa sem deixar vestígio. Mãe, na sua graça, é eternidade. Por que Deus se lembra – mistério profundo – de tirá-la um dia? Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei: Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre   junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho.”

26-04: Cinema – As Aventuras de Pi

As linhas: “Life of Pi (no Brasil: As Aventuras de Pi e em Portugal, A Vida de Pi) é um filme estadunidense, baseado no romance de 2001 de mesmo nome por Yann Martel. O filme é dirigido por Ang Lee e baseado em um roteiro adaptado por David Magee. Life of Pi foi lançado em 21 de novembro de 2012. Em 10 de janeiro de 2013 foi anunciado que Life of Pi havia recebido onze indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme, tendo vencido os prêmios de Melhor Diretor (Ang Lee), Melhor Trilha Sonora, Melhor Fotografia e Melhores Efeitos Visuais. Seu enredo trata de uma família de um dono de um zoológico localizado em Pondicherry, na Índia, que decide se mudar para o Canadá, viajando a bordo de um imenso cargueiro. Quando o navio naufraga, Pi consegue sobreviver em um barco salva-vidas. Perdido em meio ao oceano Pacífico, ele precisa dividir o pouco espaço disponível com uma zebra, um orangotango, uma hiena e um tigre-de-bengala chamado Richard Parker.” (Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre)

As entrelinhas: Se meu leitor quer assistir a um longa com efeitos visuais esplêndidos, excelente direção e interpretação e situações emocionantes de tirar o fôlego, assista uma vez A Vida de Pi (muito melhor o título original do que a tradução brasileira). Mas se quer – e deveria – mergulhar em um mundo de reflexões, tenha-o em sua videoteca para vê-lo duas, três, cinco ou dez vezes. Life of Pi trata de religiões, da existência da fé, de Deus e da alma. Certamente de muitas outras coisas que ainda não percebi. Quando criança, Pi encontra espaço em seu íntimo para conhecer as três maiores crenças religiosas do mundo: o hinduísmo, o cristianismo e o islamismo, deixando de lado as diferenças dos dogmas de cada uma. O desenrolar do filme trata apenas de mostrar a força que este autoconhecimento lhe deu. O protagonista propõe, ao final, duas interpretações para sua história. Você vai descobrir que elas são incontáveis. Vale a pena e convida a muita reflexão.

08-04: O lado bucólico do interior

As linhas: Festa no Pantaleão – O Bairro do Pantaleão, em Amparo, vai promover a Festa de São Sebastião nos dias 13 e 14 de abril. A festa começa no sábado, 13 de abril, com a realização do Torneio de Truco, a partir das 15h. A dupla primeiro colocada receberá como prêmio R$ 200,00, a segunda duas caixas de cerveja e a terceira uma caixa de cerveja. No sábado à noite, será realizada quermesse com shows. No domingo, 14 de abril, às 9h, será realizada romaria a cavalo com saída da Capela São Sebastião e a participação de cavaleiros de Amparo e região. Para as 10h30, está programada missa festiva em louvor ao Santo. Às 16h, haverá leilão de grandes e pequenos animais e diversas prendas. Fonte: A Tribuna, de Amparo/SP

As entrelinhas: Com este texto homenageio minha terra natal, que hoje completa 184 anos de fundação. O bairro rural do Pantaleão ainda mantém em sua via de acesso a estação da Companhia Mogiana de Estrada de Ferro, ponto de ligação da antiga via férrea de Amparo a Itapira. Apesar dos problemas que afetam as metrópoles já terem chegado a quase todos os pontos do interior paulista, ainda temos resquícios maravilhosos de festas como esta. Todos estão convidados!