18-07: Adalberto Baptista, se é por falta de adeus…

morumbiAs linhas: Diretor do São Paulo rebate Ceni e critica reposição de bola do goleiro: o diretor de futebol do São Paulo, Adalberto Baptista, teve uma longa conversa com o técnico Paulo Autuori nesta quinta-feira. Após o bate-papo, ele atendeu os jornalistas e precisou responder sobre a afirmação dada pelo goleiro de que o clube parou no tempo. Na visão do dirigente, o Tricolor briga pelo título brasileiro. ‘Pode acontecer com qualquer time. Mas acredito que hoje existe o grupo daqueles que brigam pelo título, no qual eu incluo o São Paulo, e o grupo que luta para não cair, onde ninguém coloca o São Paulo’, explicou Baptista, que rebateu a frase de Rogério Ceni dita após a derrota para o Corinthians na final da Recopa nesta quarta-feira (17). ‘Não concordo que o São Paulo parou no tempo’, disse. ‘É só virar e ver as evoluções de estrutura, de formação de base, profissionais dentro do clube’, completou em resposta ao goleiro, que ‘está em vias de se aposentar’. (Fonte: UOL)

As entrelinhas: Senhor Adalberto Baptista, se precisava de uma desculpa para sair, esta sua declaração resolve seu problema. Se o Rogério Ceni tem contusão no pé, como marcou aquele gol de falta contra o Vitória? Ele é parte da história vitoriosa do SPFC. O senhor também é parte de nossa história agora, infelizmente pelo lado cinza – pela primeira vez desde a construção do estádio do Morumbi, a equipe da qual o senhor é Diretor de Futebol perdeu quatro jogos seguidos em nossa casa, inclusive de equipes médias como o Goiás e Bahia (com todo o respeito, pois sou torcedor do Bahia também!). Agora quebrou outro recorde negativo, o de número de partidas sem vencer. Ninguém vai esquecer do senhor – por isto pode partir satisfeito. E já vai tarde!!! Nós vamos ter que ficar aqui passando vergonha ao participar de Copa Audi, Copa Suruga e o resto deste Brasileirão, que Deus nos proteja. Aproveite seu Porsche!

Como diria Chico Buarque, também tricolor, porém carioca, “hoje você é quem manda,  falou, tá falado, não tem discussão.  A minha gente hoje anda, falando de lado e olhando pro chão, viu!”

Foto: Estádio do Morumbi, à noite, encontrada em globoesporte.globo.com

Advertisements

22-06: Um chute no traseiro da FIFA (e não só)

fifaAs linhas: “A Globo desistiu de exibir a partida entre Espanha e Taiti, esta tarde (20) no Maracanã, para poder mostrar flashes dos protestos em diferentes cidades do país. A Fifa (Federação Internacional de Futebol) não permite a interrupção da transmissão de uma partida para exibição de outros conteúdos.(UOL) O presidente da Federação Internacional de Futebol (FIFA), Joseph Blatter, disse esta terça-feira que o futebol é ‘mais forte que a insatisfação das pessoas’, referindo-se às manifestações que ocorrem no Brasil. (O Jogo, de Portugal) Copa das Confederações gera prejuízo em Brasília – a abertura da Copa no dia 15 rendeu R$ 22 milhões, mas os custos do evento foram quase o dobro disso. Apesar do alto rendimento, o evento não foi o suficiente para recuperar o investimento gasto na festa, que custou quase R$ 41 milhões para o Distrito Federal. Também segundo dados do governo, o maior gasto foi com estruturas provisórias para o recém inaugurado estádio Mané Garrincha, que já havia custado mais de um bilhão de reais para os cofres públicos.(Exame.com) Os protestos que tomam conta das ruas nos últimos dias, atingindo inclusive o entorno e o interior dos estádios, deixaram integrantes da Fifa e de seleções apavorados com o andamento da Copa das Confederações no Brasil. A competição virou um pesadelo para a entidade. Não que a Fifa esperasse um evento perfeito, mas a proporção dos problemas é maior do que o pior cenário imaginado. (Folha)

As entrelinhas: Desde o dia 30 de outubro de 2007, quando a FIFA ratificou o Brasil como país-sede da Copa do Mundo de 2014, a entidade que comanda os destinos do futebol mundial passou a ser tida em nosso país como uma grande vilã. As imposições, incontáveis, foram se sucedendo e ao longo deste período, entre inúmeros “tapas e beijos”, nossas autoridades acabaram tendo que aceitar tudo que foi imposto e que agora se vê como exagerado é, no teste que ocorre na Copa das Confederações. Mas há um porém que as pessoas se esquecem: o tal de “caderno de encargos” assinado pelos países que se propõe a sediar eventos deste porte e que devem ser cumpridos. Aí está uma boa desculpa para o Presidente Blatter e seu acólito Jérôme Valcke, o duro gestor francês, autor da célebre recomendação “vocês precisam se pressionar, levar um chute no traseiro e fazer a Copa do Mundo.” Os nossos signatários, em época de grande euforia pelo crescimento econômico que o país passava, devem ter pensado que no final, ia se dar um jeitinho brasileiro e tudo iria acabar bem. Mas não tem sido bem assim, em que pesem as sucessivas denúncias de corrupção que atingem boa parte da cúpula da entidade, e colocam em dúvida a justiça das eleições de sedes das Copas de 2018 (Rússia) e 2022 (na potência futebolística de Qatar – onde?). O fato é que cedemos e continuamos a ceder a algumas exigências que beiram o ridículo e que acabaram fazendo da FIFA o alvo de grande parte das manifestações de rua. Se podemos construir estádios bilionários, atendendo a altos padrões de exigência, para um futuro de ociosidade e prejuízo, por que não se constroem escolas, hospitais e estradas? Os estádios pasteurizados estão lindos e maravilhosos – mas a mobilidade urbana, o grande ganho para as cidades-sede? Na verdade, talvez a FIFA tenha razão: muitos de nossos governantes precisam de um bom chute no traseiro. A FIFA e eles sabem bem, hoje, o que isto significa.

25-05: Resultado do GP São Paulo de Turfe

Gober IIAs linhas: Principal páreo do Turfe paulista e um dos maiores do esporte na América do Sul, o Grande Prêmio São Paulo 2013 (Grupo I – R$ 120.000,00 + valor “added”, de R$ 100.000,00, ao proprietário do animal vencedor) – para animais de 3 anos e mais idade –, aconteceu domingo, dia 19, no percurso de 2.400 metros, em pista de grama leve, do Hipódromo de Cidade Jardim. A vitória ficou com o excelente potro Gober (Macho, Castanho, 3 anos, de São Paulo – Yagli e Visa Max por Kenético), de criação e propriedade do Stud Red Rafa. Contando com direção exemplar de N.A.Santos, o neto de Kenético ocupou a terceira posição desde a largada, aguardando a reta de chegada para evoluir. Quando os competidores atingiram a seta dos 300 metros finais, Gober ganhou terreno pelo centro da pista para dominar a competição, superando seus qualificados oponentes por pouco mais de 1 corpo de vantagem. Poker Face (4.Wild Event) cruzou o disco na segunda posição, mas acabou desclassificado para o terceiro lugar por ter causado prejuízos ao não menos talentoso Energia Eros (3.Point Given), que, com isso, garantiu o vice-campeonato. Responsável por pontear boa parte da carreira, Ibrahimovic (4.Sulamani) chegou em quarto, com Mojito (3.Dubai Dust) na quinta colocação. (Fonte: Portal Turfeonline)

As entrelinhas: Em nosso artigo de 27 de abril, aqui no Linhas & Entrelinhas, ao anunciar o GP São Paulo e dar o resultado da prova preparatória G.P. Oswaldo Aranha, vencido pelo potro Gober, dissemos que o turfe, além de propiciar agradáveis momentos de lazer, era um jogo onde vários fatores dão indicações de resultados possíveis. Pois bem, Gober não foi eleito favorito do público (era a sexta força do páreo) mas venceu com um rateio de R$ 8,20, ou seja, para cada Real jogado o apostador teve um lucro líquido de R$ 7,20. Nada mal, não é mesmo? Embora este páreo tenha sido corrido com 18 animais, todos de muita categoria, nós estamos provando aqui que há parâmetros importantes para se fazer um jogo com muito mais possibilidades de ganho do que qualquer loteria. O segundo colocado, Energia Eros, vindo do Rio de Janeiro, era um bom azar e a dupla exata rendeu o montante de R$ 138,90 para cada Real apostado!!! Vocês vão perguntar se joguei e ganhei. Não, nem um tostão! Sou um caso clássico de amante dos cavalos de corrida mas que não tem o prazer ou o hábito de jogar. Durante muitos anos frequentei semanalmente Cidade Jardim (e também o Hipódromo da Gávea, do Tarumã em Curitiba e o Cristal em Porto Alegre) mas poucas vezes fui ao guichê de apostas. Assim é o turfe, com lugar para todos os gostos.

Foto: Luiz Melão

18-05: Arbitragem no futebol

arbitros_de_futebol1As linhas: “ A  Federação Paulista de Futebol divulgou que o árbitro Rodrigo Braghetto foi afastado da final do Campeonato Paulista. O juiz tinha sido escalado para o jogo, mas solicitou à Comissão de Arbitragem que fosse dispensado da partida. Nesta sexta-feira, haverá novo sorteio para definir o juiz que irá apitar o jogo entre Santos e Corinthians, no domingo, na Vila Belmiro. Segundo a entidade, o árbitro pediu o afastamento ‘a fim de evitar qualquer tipo de polêmica que pudesse prejudicar a competição, já que a sua empresa, Apto Esportes, presta serviços ao departamento amador do Sport Club Corinthians Paulista’. Braghetto é sócio da empresa Apto Esportes, que presta serviço para o Corinthians e outros clubes como São Paulo e Portuguesa. Segundo Coronel Marinho, chefe de arbitragem da Federação Paulista de Futebol, a ligação do árbitro com a empresa era de conhecimento da entidade. (Fonte: UOL)

As entrelinhas: Isto poderia ser chamado de legalização do suborno ou legitimação da corrupção. E não adianta querer proibir esta relação promíscua entre árbitros e clubes – para que existem “laranjas”? Ouve-se que o mesmo tipo de coisa se passa entre empresários/agentes, dirigentes e técnicos. Todo mundo supõe, não é apenas aqui no Brasil*, que se fabricam “campeões”, mas só “inocentes” como este Braghetto passam recibo! Em uma semana onde se falou de erros crassos de arbitragem nos jogos que eliminaram Corinthians e Palmeiras da Libertadores, fica em nós torcedores (este escriba incluído) aquela sensação de “como sou um idiota”. Pior de tudo é que este tipo de situação parece ser tão antiga como o próprio futebol profissional. Que lamentável!

*Em 1994 o Olympique de Marselha teve seu título da temporada 92/93 cassado e foi rebaixado, pois seu Presidente subornou jogadores do Valenciennes para perderem um jogo decisivo. Na Itália, em 2006, os poderosos Juventus, Fiorentina e Lazio foram rebaixados (Milan escapou no recurso) e a Juve perdeu dois títulos nacionais, por um esquema de corrupção na indicação de árbitros. Aqui em terra tupiniquim, o Campeonato Brasileiro de 2005 foi maculado com a anulação de onze partidas após a constatação de que o juiz Edilson Pereira de Carvalho estava envolvido em um esquema de manipulação de resultados.

Ilustração de Google Images.

07-05: A injustiça das decisões por pênaltis

BaggioAs linhas: “ O Corinthians ganhou nos pênaltis do São Paulo por 4 a 3, após o empate sem gols no tempo normal, e garantiu a vaga na final do Paulistão. O herói da classificação corintiana, no equilibrado clássico deste domingo no Morumbi, foi o goleiro Cássio, que defendeu a decisiva cobrança de Luis Fabiano – Ganso também desperdiçou pelo lado são-paulino, ao chutar a bola por cima do gol. Agora, o clube alvinegro vai decidir o título do campeonato contra o Santos, que também chega à final após duas vitórias, contra Palmeiras e Mogi Mirim, conseguidas com cobranças de penalidades máximas. ” (Fonte: Estadão)

As entrelinhas: Uma das grandes frases do futebol diz que o penalty é tão importante que deveria ser cobrado pelo Presidente do clube! Na verdade, muito mais triste do que o gol impedido (ou com “la mano de Dios”), do árbitro tendencioso, da falta não marcada, é decidir-se uma partida ou – ainda mais – um campeonato de futebol com disputa de pênaltis. Nunca haverá o árbitro preciso que vai fazer voltar todas as penalidades cobradas onde o goleiro se mexe ilegalmente antes do chute. Neste fim de semana, o Inter de Porto Alegre também ficou campeão gaucho na decisão por penalidades. Criam-se os heróis e os vilões. Pobre do fantástico italiano Roberto Baggio que errou sua cobrança contra o Brasil nas finais da Copa do Mundo dos EUA. Dezenas de exemplos vem à tona. Melhor “cara ou coroa”! Inclusive evitaria doenças coronárias nos infelizes torcedores.

27-04: Turfe – vem aí o GP São Paulo!

GoberAs linhas: Gober levanta o GP Oswaldo Aranha e vai ao GP São Paulo como força – tradicional preparatória para o Grande Prêmio São Paulo e uma das provas mais importantes do calendário paulista, o Grande Prêmio Oswaldo Aranha (gr.II), em sua edição 2013, foi vencido em Cidade Jardim, por Gober, segundo na preferência do público apostador. N. A. Santos conduziu com maestria o pupilo de R. Soares, que mais uma vez o apresentou em estado irretocável. O favorito Golden Gold atropelou de rijo nos metros decisivos mas não conseguiu desalojar Gober que o superou por 1/4 de corpo. Media Man, que deu muita “fila” de vitória, foi o 3º, à 1 corpo, Sandbuck finalizou em 4º (5 1/2) e American Storm deu números finais ao marcador (5 3/4). Derby winner paulista em 2012, Gober é um 3 anos, filho de Yagli e Visa Max (Kenético), de criação e propriedade do Stud Rafa, cuja campanha aponta agora para 4 vitórias em 10 apresentações.” (Fonte: www.jockeysp.com.br, site oficial do Jockey Club de São Paulo)

As entrelinhas: Antes de mais nada este é um convite para nossos leitores reservarem a data de 19 de maio para uma experiência inesquecível: assistir à disputa do GP São Paulo de turfe, a ter lugar no Hipódromo Paulistano (Cidade Jardim – Av. Linneo de Paula Machado). Há uma certa mistificação em torno das corridas de cavalo. Na mente de grande parte das pessoas ir ao Jockey Club é exclusividade das “elites”. Nada mais errôneo. O turfe é um esporte popular (na Argentina o segundo esporte mais assistido) e uma ida ao hipódromo em uma tarde de sábado ou domingo é uma atividade que contempla toda a família. Enquanto os pais ou casais tem diversidade de bares e restaurantes para frequentarem enquanto aguardam os páreos, sempre há atividades ao ar livre para os pequenos. A entrada é livre e o visual maravilhoso. Não só se desfruta de uma linda vista do skyline de São Paulo, como se diverte com o colorido das fardas que vestem os jóqueis e a beleza inigualável dos cavalos Puro Sangue Ingleses. As apostas são opcionais, variadas e baratas e é – seguramente – o tipo de jogo em que se tem a maior chance de ter um retorno ao seu “investimento”. Antes mesmo do GP São Paulo, fica o convite para conhecer o Hipódromo e preparar-se para a grande festa do turfe paulistano.

13-04: Voa canarinho, voa…

As linhas: ” Brasil cai e alcança pior posição na história do ranking da Fifa – A seleção brasileira segue sem convencer o torcedor e isso começa a ser espelhado pelo ranking da Fifa. A entidade divulgou na quinta-feira (11) nova versão da lista e o Brasil caiu para sua pior posição na história do ranking, que foi criado em 1993. Agora, a equipe está em 19°, após perder um ponto e aparecer com 909. A pior posição alcançada pelo Brasil, até este mês de abril, era a 18ª, na qual estava desde o final de 2012. Dessa maneira, a poucos meses de sediar a Copa das Confederações, a seleção se mantém atrás de países como Bélgica, Suíça, Grécia e Costa do Marfim, além de equipes sul-americanas menos tradicionais, como Equador e Colômbia.” (Fonte: portal UOL)

As entrelinhas: Já escrevi aqui sobre a falta de empatia entre nossa seleção e a grande maioria do público torcedor. Mas não vamos subestimar tanto nossos jogadores e imaginar que somos tão ruins como diz esta classificação. Basta olharmos os jogos das quartas de final da Champion’s League, para notarmos que um desconhecido zagueiro brasileiro Felipe Santana classificou o poderoso Borussia Dortmund, que o excelente time de estrelas do PSG tem Thiago Silva, Alex, Maxwell e Lucas jogando um bolão (sem contar Daniel Alves e Adriano no Barcelona) que o astro do Málaga é o ex-tricolor Julio Baptista. Portanto, senhora FIFA, menos…bem menos…não estamos tão mal assim!