09-04: Coreia do Norte, o fracasso da diplomacia

As linhas: O ditador Kim Jong-un, da Coreia do Norte, é um louco disposto a matar milhões de pessoas em uma guerra suicida ou está apenas blefando? Essa é a questão central  a respeito das diatribes do tirano, que nas últimas semanas declarou seu direito de ter armas nucleares, ameaçou destruir a Casa Branca, posicionou mísseis na direção da Coreia do Sul e do Japão e fechou o complexo industrial que o país compartilha com o vizinho do sul. Há décadas o regime comunista da Coreia do Norte usa estas bravatas para chantagear os vizinhos e o Ocidente. (Fonte: revista Veja, ed. Abril)

As entrelinhas: Ora é o Irã, agora – outra vez – a Coreia do Norte. Não faz muito, Iraque e Afeganistão. Eu não entendo (aliás, eu não compreendo muita coisa que se passa no mundo), como não se consegue estabelecer uma situação diplomática global que elimine estes sustos estarrecedores. Segundo alguns (nesta hora surgem especialistas de todo tipo com toda forma de conjecturas) uma guerra destas mataria uma milhão de pessoas e duraria dois dias!!! Para que serve a ONU, seu Conselho de Segurança (com a China agora tirando a proteção que dava à Coreia do Norte) e outras dezenas de organismos internacionais, além de tratados de toda ordem assinados pelos principais países do globo? Uma hora destas, por acidente ou loucura, tudo explode!

Advertisements

05-04: O Pastor e as minorias

As linhas: “ Feliciano aprova requerimento para barrar ativistas na Comissão de Direitos Humanos – Manifestantes e ativistas de direitos humanos não entram mais no plenário onde são realizadas as sessões e audiências da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Será apenas permitida a entrada na comissão de pessoas relacionadas aos temas em discussão. A proposta foi do próprio presidente da comissão, deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), aprovada na tarde desta quarta-feira pelos integrantes da comissão. Feliciano enfrentou mais uma vez forte protesto contra sua permanência na presidência, mas, dentro do plenário, apenas deputados que votaram para sua indicação ao cargo participaram da sessão desta quarta. Como já ocorreu nas duas últimas sessões, as próximas reuniões serão fechadas. Delas participarão apenas os deputados, servidores e jornalistas. O restante será barrado, conforme o requerimento de Feliciano validado em plenário. Ninguém se opôs à proposta. ” (Fonte: JusBrasil, citando a  Associação do Ministério Público de Minas Gerais)

As entrelinhas: Não, não vamos usar este espaço para debater se o Pastor deve ou não permanecer à frente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Parece óbvio que mais hora menos hora ele sai, com o nome feito (aqui no Brasil o importante para os eleitores é terem ouvido falar do nome – se é conhecido, só pode ser “cabra bom”!). O que leio nas entrelinhas de toda esta revolução midiática em torno do tema é o grande poder detido pelas minorias, tanto as contra como as a favor da permanência do Deputado à frente de Comissão tão emblemática. Chama-me a atenção o fato de que outros temas, só para ficar no âmbito do Congresso Nacional, tão ou mais importantes do que este, não geram tão ardorosas disputas. Sempre ouvi falar que as maiorias silenciosas são as que decidem eleições e rumos de uma Nação. Mas noto que isto mudou bastante. As maiorias se acomodaram, se omitem, se escondem por trás de sua zona de conforto ou de seu conformismo em achar que nada pode ser feito. Que esta demonstração sirva de exemplo de como, embora em pequeno número, a força da mobilização pode alterar o curso da História.

02-04: Nasce a PEC dos domésticos – só confusão…

As linhas: As agências de trabalhadores domésticos começam a sentir os efeitos da nova lei do setor, a chamada PEC das Domésticas, que será promulgada hoje pelo Congresso Nacional, mas que já está respondendo por uma série de demissões e pelo desinteresse de empregadores em novas contratações. Além de dispensar os serviços prestados, quem buscava profissionais no mercado suspendeu a oferta de vagas, dando prioridade às diaristas. (Fonte: Estado de Minas – www.em.com.br, comentando sobre o PEC de hoje mas que tem áreas críticas ainda a serem regulamentadas)

As entrelinhas: Não é a primeira e certamente não vai ser a última legislação aprovada no Congresso Nacional, com grande estardalhaço e repercussão, mas que não está pronta para ser aplicada. Na verdade há mais perguntas do que respostas e ainda vai levar um bom tempo para que esta PEC entre completamente em vigor. Isto é natural pois uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) é uma atualização complexa, uma emenda à Constituição Federal. Enquanto isto empregados domésticos e empregadores vão estar se olhando com desconfiança e muita decisão precipitada vai tomar lugar!!!

25-03: Collor, hoje, seria pizza…

As linhas: ” Pão e Circo – Em Brasília, as suspeitas de superfaturamento de preços atingem da suntuosa obra do Estádio Nacional à compra de alimentos básicos que compõem a merenda escolar (Veja, 20mar2013). No CNJ, Joaquim Barbosa ataca conluio de juízes e advogados – Em julgamento no CNJ, o presidente do Supremo diz que existem ‘decisões graciosas, condescendentes e fora das regras’ por causa da relação entre magistrados e defensores (Correio Brasiliense, 20mar2013). ” Lula levou diretor da Odebrecht em viagem oficial à África – Na única viagem internacional em que o ex-presidente Lula foi designado representante oficial do governo Dilma Rousseff, o petista pôs entre os membros da delegação um diretor da Odebrecht (Folha, 24mar2013, confirmando que a relação de Lula com empreiteiras é próxima: elas pagaram quase a metade de suas viagens internacionais como ex-presidente).

As entrelinhas: A velocidade e a profundidade com que se renovam os “malfeitos” (palavra celebrizada pela Presidenta Dilma) faz com que não haja tempo da população pensante do Brasil assimilar tanta informação. Fica a sensação de impunidade permanente e “não há o que se fazer”. Por isso entendemos, tivesse sido hoje a entrevista do falecido Pedro Collor à revista Veja publicada em 27/5/1992, seu irmão Fernando Collor de Mello continuaria Presidente até o final de seu mandato. Pois se até o líder dos “caras pintadas” de então, hoje Senador Lindbergh Farias, tornou-se o ex-Prefeito mais processado da cidade de Nova Iguaçu/RJ e é candidato potencial à Prefeitura do Rio de Janeiro… Novos tempos!