23-04: Boston, o Bem e o Mal

As linhas:Preso acusado de participar do atentado em Boston, Dzhokhar Tsarnaev, americano de origem chechena, deverá perder o direito de manter-se calado e de ter advogado no interrogatório. Sob pressão de senadores, o governo de Barack Obama resiste a declará-lo como ‘combatente inimigo’, tratamento usado para acusados de terrorismo depois dos ataques de 11 de setembro de 2001 e banido em 2009. Se essa opção prevalecer, ele será submetido a corte militar. O FBI investiga se uma viagem à Chechênia e ao Daguestão feita em 2012 por Tamerlan, irmão mais velho de Dzhokhar, teria ligação com as explosões.” (Fonte: O Estado de São Paulo)

As entrelinhas: Isto tudo agora é irrelevante. O que o mundo vai saber é aquilo que os serviços secretos americanos entenderem que se deva publicar. A grande pergunta que vai ficar sem resposta, mas que realmente interessa, é compreender o que levou dois irmãos, aparentemente imigrantes comuns, a executarem este ato. Não do ponto de vista de motivação política ou religiosa, mas no que se refere a à alma humana. Isto é o que tenho investigado e a melhor resposta que encontrei vem do psicanalista carioca e escritor de livros policiais, Luiz Alfredo Garcia-Roza: “Não há isoladamente o Bem e o Mal; tanto o bom como o mau habitam nossa interioridade. Sem a linha que separa o Bem do Mal, a fera vem habitar nosso interior.” Um convite à reflexão!

Advertisements