09-05: Injustiça com o Gabão

Explanada dos Ministerios, Eixo Monumental, BrasiliaAs linhas: “  O senador Aécio Neves, presidenciável do PSDB, comentou o ingresso de Guilherme Afif Domingos (PSD-SP) na equipe de ministros de Dilma Rousseff, marcado para esta quinta-feira (9). ‘O governo brasileiro, a partir de amanhã, concorrerá com o Gabão, o único país do mundo que tem também cerca de 40 ministérios’, disse. Escolhido para chefiar a recém-criada pasta da Micro e Pequena Empresa, Afif será o 39º ministro de Dilma. A analogia de Aécio foi injusta com o Gabão, uma república africana com 28 ministros (29 se for incluído na conta o primeiro-ministro). Para o rival tucano de Dilma, ‘a posse de mais um ministro de Estado é algo inimaginável’. (Fonte: Blog do Josias)

As entrelinhas: Estive na Holanda, no final do ano passado, a convite do Governo daquele país europeu. Dentro da política de austeridade que impera na Europa, visitei um Ministério, que se chama “Ministry of Economic Affairs, Agriculture and Innovation”. Tudo junto, em um prédio só, sob a tutela de um Ministro que ainda acumula a função de Vice-Primeiro Ministro. Com isto fica muito mais fácil administrar assuntos que se completam, corta-se enormemente os “cabides de emprego” e seus custos e ganha-se em eficiência. Enquanto isto vamos na contramão, aqui em terras tupiniquins, sempre com um olho em alianças políticas, horários na tv e as eleições majoritárias de 2014. E la nave va…

02-05: Ibovespa não anima

800px-E-tickerAs linhas:  A situação anda mesmo complicada para os investimentos de risco no Brasil. Não é por outra razão que a Bovespa acumulou o quarto mês consecutivo de queda, com perdas no ano de 8,27%. Muitas mudanças na política econômica, sinais transversos na política monetária e cambial, têm deixado os investidores receosos na aplicação de recursos, ao mesmo tempo em que surgem países com maior atratividade para investimentos.(Alvaro Bandeira, Economista-Chefe da Órama, citado no boletim diário da corretora ADVFN)

As entrelinhas: O termômetro mais confiável da temperatura com que se encontra a economia do Brasil é, sem dúvida, o Índice da BMF&BOVESPA. Este primeiro quadrimestre do ano é decepcionante. Estivemos inclusive, uma parte deste mês, operando em níveis bem inferiores aos do fechamento de abril. Grande impacto nas cotações tiveram as ações das empresas do grupo EBX, do empresário Eike Batista, bem como a performance errática de blue chips como Petrobras e Vale, influenciadas por fatores de economia externa. Mas a insegurança do Governo em termos macroeconômicos foi o fator preponderante para este resultado. E o sinal continua amarelo…

24-04: FMI e PIB – quem acredita em números?

As linhas: ” O Brasil caiu 25 posições em um ranking que mede o ritmo de crescimento do PIB (produto interno bruto) de 166 países, elaborado com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI). Com uma expansão de apenas 0,9% na economia no ano passado, o país ficou em 128º lugar. Em 2011, estava em 103º, após uma alta de 2,7% no PIB. Nos últimos 20 anos, somente três vezes o Brasil esteve em uma colocação pior do que a atual: em 1998 (quando ficou em 141º lugar), em 1999 (138º) e em 2003 (141º). O ranking considerou apenas os países que forneceram os dados para todo o período examinado (1993 a 2012). Os números se referem ao crescimento econômico real, ou seja, descontada a inflação.” (Fonte: blog ‘Achados Econômicos’ de Silvio Guedes Crespo)

As entrelinhas: Confesso ter dificuldade em conviver com uma série de temas que são parte de nosso cotidiano. Um deles é a minha completa descrença em dados estatísticos aos quais não tenho como verificar sua autenticidade ou que não confio em quem os elabora. Isto deve ser resquício do fato de ter sido recenseador em 1970 (curiosidade: naquele ano realizaram-se, pela primeira vez e simultaneamente, os recenseamentos da população e da habitação, passando a palavra censo, a ser utilizada no plural como referência às duas operações simultâneas). Levante a mão quem acredita que “o IBGE calculou em 31/08/2012 que a população brasileira tenha atingido 193.946.886 habitantes, 1.567.599 a mais do que no ano passado”. Que nossa economia está andando de lado, não precisamos de FMI para nos dizer. Mas que ficamos em 128º. lugar entre 166 países examinados pelo Fundo, a mim não acrescenta ou diminui absolutamente nada.

13-04: Voa canarinho, voa…

As linhas: ” Brasil cai e alcança pior posição na história do ranking da Fifa – A seleção brasileira segue sem convencer o torcedor e isso começa a ser espelhado pelo ranking da Fifa. A entidade divulgou na quinta-feira (11) nova versão da lista e o Brasil caiu para sua pior posição na história do ranking, que foi criado em 1993. Agora, a equipe está em 19°, após perder um ponto e aparecer com 909. A pior posição alcançada pelo Brasil, até este mês de abril, era a 18ª, na qual estava desde o final de 2012. Dessa maneira, a poucos meses de sediar a Copa das Confederações, a seleção se mantém atrás de países como Bélgica, Suíça, Grécia e Costa do Marfim, além de equipes sul-americanas menos tradicionais, como Equador e Colômbia.” (Fonte: portal UOL)

As entrelinhas: Já escrevi aqui sobre a falta de empatia entre nossa seleção e a grande maioria do público torcedor. Mas não vamos subestimar tanto nossos jogadores e imaginar que somos tão ruins como diz esta classificação. Basta olharmos os jogos das quartas de final da Champion’s League, para notarmos que um desconhecido zagueiro brasileiro Felipe Santana classificou o poderoso Borussia Dortmund, que o excelente time de estrelas do PSG tem Thiago Silva, Alex, Maxwell e Lucas jogando um bolão (sem contar Daniel Alves e Adriano no Barcelona) que o astro do Málaga é o ex-tricolor Julio Baptista. Portanto, senhora FIFA, menos…bem menos…não estamos tão mal assim!

05-04: O Pastor e as minorias

As linhas: “ Feliciano aprova requerimento para barrar ativistas na Comissão de Direitos Humanos – Manifestantes e ativistas de direitos humanos não entram mais no plenário onde são realizadas as sessões e audiências da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Será apenas permitida a entrada na comissão de pessoas relacionadas aos temas em discussão. A proposta foi do próprio presidente da comissão, deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), aprovada na tarde desta quarta-feira pelos integrantes da comissão. Feliciano enfrentou mais uma vez forte protesto contra sua permanência na presidência, mas, dentro do plenário, apenas deputados que votaram para sua indicação ao cargo participaram da sessão desta quarta. Como já ocorreu nas duas últimas sessões, as próximas reuniões serão fechadas. Delas participarão apenas os deputados, servidores e jornalistas. O restante será barrado, conforme o requerimento de Feliciano validado em plenário. Ninguém se opôs à proposta. ” (Fonte: JusBrasil, citando a  Associação do Ministério Público de Minas Gerais)

As entrelinhas: Não, não vamos usar este espaço para debater se o Pastor deve ou não permanecer à frente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Parece óbvio que mais hora menos hora ele sai, com o nome feito (aqui no Brasil o importante para os eleitores é terem ouvido falar do nome – se é conhecido, só pode ser “cabra bom”!). O que leio nas entrelinhas de toda esta revolução midiática em torno do tema é o grande poder detido pelas minorias, tanto as contra como as a favor da permanência do Deputado à frente de Comissão tão emblemática. Chama-me a atenção o fato de que outros temas, só para ficar no âmbito do Congresso Nacional, tão ou mais importantes do que este, não geram tão ardorosas disputas. Sempre ouvi falar que as maiorias silenciosas são as que decidem eleições e rumos de uma Nação. Mas noto que isto mudou bastante. As maiorias se acomodaram, se omitem, se escondem por trás de sua zona de conforto ou de seu conformismo em achar que nada pode ser feito. Que esta demonstração sirva de exemplo de como, embora em pequeno número, a força da mobilização pode alterar o curso da História.

23-03: Uma nova família Scolari?

As linhas: ” O treinador Luiz Felipe Scolari após o empate do Brasil contra a Itália por 2 a 2 confirmou o que já parecia evidente durante a passagem da seleção por Genebra (Suíça): Neymar está sendo blindado. O jogador não participou de nenhuma das entrevistas organizadas pela assessoria de imprensa da CBF durante a preparação para o amistoso. Felipão afirmou ainda que disse a Neymar que ele será tirado de debaixo dos holofotes sempre que servir à seleção. ‘Coloquei a ele que na seleção ele será muito menos exposto que no Santos. O Neymar será mais resguardado que no clube, onde ele precisa cumprir uma série de compromissos. O Neymar é centrado, equilibrado’, ponderou o treinador.” (Fonte: portal UOL, mostrando o lado “Paizão” de Felipão, que marcou particularmente suas passagens pelas seleções que dirigiu).

As entrelinhas: Quando o assunto é futebol, antes de emitir qualquer opinião gosto de passar os olhos pelos principais blogs do assunto para ler as mensagens dos internautas. Aí sinto o pulso do que pensa nosso povo. Algo que me chama a atenção, faz um bom tempo, é a falta de empatia entre a “canarinha” e o torcedor brasileiro. Talvez porque a maioria dos jogadores esteja há anos fora do País, talvez porque sua remuneração e modo de vida sejam desproporcionais ao que produzem em campo. O fato é que este grupo precisa melhorar muito para conseguir algo na Copa das Confederações e particularmente na Copa do Mundo de 2014. Difícil dizer se Scolari vai conseguir formar outra família, como fez com o Brasil do pentacampeonato e com a Seleção de Portugal. Mas uma coisa é certa: um afilhado já é membro desta eventual família, o poderoso Hulk…..

20-03: As pérolas do Enem: “trousse”, “enchergar” e “rasoavel”

As linhas: “‘Rasoavel’, ‘enchergar’, ‘trousse’. Esses são alguns dos erros de grafia  encontrados em redações que receberam nota 1.000 no Exame Nacional de Ensino  Médio 2012 (Enem). Durante um mês, O Globo recebeu mais de 30 textos enviados  por candidatos que atingiram a pontuação máxima, com a comprovação das notas  pelo Ministério da Educação (MEC) e a confirmação pelas universidades federais  em que os estudantes foram aprovados. Além desses absurdos na língua portuguesa,  várias redações continham graves problemas de concordância verbal, acentuação e  pontuação.” (Fonte: globo.com, texto que foi reproduzido extensivamente nos últimos dias).

As entrelinhas: A língua pátria tem sido ultrajada, não é de hoje. Inicialmente o problema crônico da falha na educação de base. Em segundo lugar a falta de leitura, que aliás nunca foi hábito muito cultivado por nós brasileiros. Depois criam um Acôrdo Ortográfico da Língua Portuguesa (que acabo de descobrir, só entra em vigor no Brasil em 2016!). Mais ainda, outro grande problema: a difusão dos meios de comunicação escrita via smartphones, twitters, MSNs e outros gadgets (que se traduz por geringonças), que induzem as pessoas, em particular os jovens (muitos já não são tão jovens assim) a abreviar as palavras de uma forma incompreensível para um ser humano normal, criando um novo dicionário. Em outras palavras, a situação só tende a piorar…