22-06: Um chute no traseiro da FIFA (e não só)

fifaAs linhas: “A Globo desistiu de exibir a partida entre Espanha e Taiti, esta tarde (20) no Maracanã, para poder mostrar flashes dos protestos em diferentes cidades do país. A Fifa (Federação Internacional de Futebol) não permite a interrupção da transmissão de uma partida para exibição de outros conteúdos.(UOL) O presidente da Federação Internacional de Futebol (FIFA), Joseph Blatter, disse esta terça-feira que o futebol é ‘mais forte que a insatisfação das pessoas’, referindo-se às manifestações que ocorrem no Brasil. (O Jogo, de Portugal) Copa das Confederações gera prejuízo em Brasília – a abertura da Copa no dia 15 rendeu R$ 22 milhões, mas os custos do evento foram quase o dobro disso. Apesar do alto rendimento, o evento não foi o suficiente para recuperar o investimento gasto na festa, que custou quase R$ 41 milhões para o Distrito Federal. Também segundo dados do governo, o maior gasto foi com estruturas provisórias para o recém inaugurado estádio Mané Garrincha, que já havia custado mais de um bilhão de reais para os cofres públicos.(Exame.com) Os protestos que tomam conta das ruas nos últimos dias, atingindo inclusive o entorno e o interior dos estádios, deixaram integrantes da Fifa e de seleções apavorados com o andamento da Copa das Confederações no Brasil. A competição virou um pesadelo para a entidade. Não que a Fifa esperasse um evento perfeito, mas a proporção dos problemas é maior do que o pior cenário imaginado. (Folha)

As entrelinhas: Desde o dia 30 de outubro de 2007, quando a FIFA ratificou o Brasil como país-sede da Copa do Mundo de 2014, a entidade que comanda os destinos do futebol mundial passou a ser tida em nosso país como uma grande vilã. As imposições, incontáveis, foram se sucedendo e ao longo deste período, entre inúmeros “tapas e beijos”, nossas autoridades acabaram tendo que aceitar tudo que foi imposto e que agora se vê como exagerado é, no teste que ocorre na Copa das Confederações. Mas há um porém que as pessoas se esquecem: o tal de “caderno de encargos” assinado pelos países que se propõe a sediar eventos deste porte e que devem ser cumpridos. Aí está uma boa desculpa para o Presidente Blatter e seu acólito Jérôme Valcke, o duro gestor francês, autor da célebre recomendação “vocês precisam se pressionar, levar um chute no traseiro e fazer a Copa do Mundo.” Os nossos signatários, em época de grande euforia pelo crescimento econômico que o país passava, devem ter pensado que no final, ia se dar um jeitinho brasileiro e tudo iria acabar bem. Mas não tem sido bem assim, em que pesem as sucessivas denúncias de corrupção que atingem boa parte da cúpula da entidade, e colocam em dúvida a justiça das eleições de sedes das Copas de 2018 (Rússia) e 2022 (na potência futebolística de Qatar – onde?). O fato é que cedemos e continuamos a ceder a algumas exigências que beiram o ridículo e que acabaram fazendo da FIFA o alvo de grande parte das manifestações de rua. Se podemos construir estádios bilionários, atendendo a altos padrões de exigência, para um futuro de ociosidade e prejuízo, por que não se constroem escolas, hospitais e estradas? Os estádios pasteurizados estão lindos e maravilhosos – mas a mobilidade urbana, o grande ganho para as cidades-sede? Na verdade, talvez a FIFA tenha razão: muitos de nossos governantes precisam de um bom chute no traseiro. A FIFA e eles sabem bem, hoje, o que isto significa.

Advertisements

21-05: MP dos Portos e o Congresso Nacional

800px-Congresso_Nacional_BR_noiteAs linhas: ” A presidente Dilma Rousseff terá até 5 de junho para sancionar a  Medida Provisória 595, aprovada pelo Congresso na noite da última  quinta-feira, 16. O texto votado pelo Senado e pela Câmara já chegou à  Presidência, após ter sido despachado pelo presidente do Senado Renan  Calheiros (PMDB-AL).O prazo começou a contar a partir de quinta-feira (16), quando a  Presidência da República recebeu o texto, e o feriado de Corpus Christi, no dia 30 de maio, será contado como dia útil. Por lei, o Presidente da República tem 15 dias úteis para sancionar ou vetar, total ou parcial, o texto aprovado pelo Congresso. Caso Dilma Rousseff vete alguns dos pontos incluídos no texto  original da MP, esses vetos retornam ao Congresso para que sejam  analisados em sessão conjunta da Câmara e do Senado.” (Fonte: Guia Marítimo)

As entrelinhas: Aqui não vamos discutir o conteúdo, pois a legislação, com vetos ou sem vetos, é muito boa e vai dar um grande impulso aos investimentos no setor portuário, aprimorando a evolução que já havia sido trazida pela Lei da Modernização dos Portos de 1993. O que pretendemos mencionar é a forma com que a legislação passou pelo Congresso Nacional. Como a oposição não tem força alguma, o PMDB da base aliada foi quem organizou a algazarra. Em meio a debates vergonhosos (na Câmara dos Deputados, pois no Senado Federal passou como um bólido, sem tempo para piscar), alcunha de Lei dos Porcos, ofensas pessoais, sessões ininterruptas, deputados dormindo nos sofás ou sendo acordados por seus líderes para virem “dar quórum”, o país assistiu a um espetáculo circense. Até acusações de que o Executivo, na ânsia de não deixar expirar o prazo para votação da Medida Provisória, teria antecipado a liberação de verbas orçamentárias para agradar o fogo amigo mais resistente. Que blasfêmia – imaginem que isto existe em Brasília! No fim, o texto saiu basicamente da maneira como entrou, em linha com o relatório muito bem costurado por Eduardo Braga, ex-Governador do Amazonas e do jeito que o Executivo queria!

Como disse o fantástico Mario Quintana, “Todos estes que aí estão, atravancando o meu caminho, eles passarão. Eu passarinho!

A foto: “Congresso Nacional à Noite”, de Steve Evans, encontrada em flickr/ commons. wikimedia

(Reprodução do artigo de autoria de Paulo Costa, publicado em BioAgroEnergia da Rede Exame de Blogs)

30-03: Basquete renasce no Brasil

As linhas: ” Uma cesta de três de Rafael Mineiro a quatro décimos do término colocou um ponto final na possibilidade de o Brasília quebrar o recorde de vitórias seguidas no Novo Basquete Brasil (NBB). Com a vitória por 92 a 89, nesta quinta-feira (28mar), em São Paulo, o Pinheiros acabou com a invencibilidade de 16 jogos do atual campeão da competição. Quem agradeceu pelo resultado foi o Flamengo, que bateu o Palmeiras e permanece folgado na liderança, além de continuar ostentando a não alcançada marca de 20 vitórias seguidas (obtida na temporada 2008/09). O Brasília segue na vice-liderança (25 vitórias e cinco derrotas), enquanto o Pinheiros ocupa a quinta posição na tabela (20 vitórias e 10 derrotas).  (Fonte: globoesporte.com)

As entrelinhas: Em sua quinta temporada, o Novo Basquete Brasil, apoiado por empresas patrocinadoras e pela rede Globo, traz de volta a nosso País as emoções de um esporte que já foi o segundo mais popular no Brasil. Com dezoito equipes masculinas participantes, representando de Fortaleza/CE a Joinville/SC, o campeonato segue uma forma que lembra a NBA, com turno e returno e os playoffs com os oito melhores classificados. Apesar de que a metade das equipes estão no Estado de São Paulo, velhas e novas sadias rivalidades trazem grande público às quadras. Jogadores estrangeiros e vários brasileiros ‘repatriados’ dão um tom especial à disputa. A participação do Brasil nos Jogos Olímpicos de Londres, mais a presença de brasileiros na NBA, mostra que estamos no caminho certo para voltarmos a ser potência mundial.