18-05: Arbitragem no futebol

arbitros_de_futebol1As linhas: “ A  Federação Paulista de Futebol divulgou que o árbitro Rodrigo Braghetto foi afastado da final do Campeonato Paulista. O juiz tinha sido escalado para o jogo, mas solicitou à Comissão de Arbitragem que fosse dispensado da partida. Nesta sexta-feira, haverá novo sorteio para definir o juiz que irá apitar o jogo entre Santos e Corinthians, no domingo, na Vila Belmiro. Segundo a entidade, o árbitro pediu o afastamento ‘a fim de evitar qualquer tipo de polêmica que pudesse prejudicar a competição, já que a sua empresa, Apto Esportes, presta serviços ao departamento amador do Sport Club Corinthians Paulista’. Braghetto é sócio da empresa Apto Esportes, que presta serviço para o Corinthians e outros clubes como São Paulo e Portuguesa. Segundo Coronel Marinho, chefe de arbitragem da Federação Paulista de Futebol, a ligação do árbitro com a empresa era de conhecimento da entidade. (Fonte: UOL)

As entrelinhas: Isto poderia ser chamado de legalização do suborno ou legitimação da corrupção. E não adianta querer proibir esta relação promíscua entre árbitros e clubes – para que existem “laranjas”? Ouve-se que o mesmo tipo de coisa se passa entre empresários/agentes, dirigentes e técnicos. Todo mundo supõe, não é apenas aqui no Brasil*, que se fabricam “campeões”, mas só “inocentes” como este Braghetto passam recibo! Em uma semana onde se falou de erros crassos de arbitragem nos jogos que eliminaram Corinthians e Palmeiras da Libertadores, fica em nós torcedores (este escriba incluído) aquela sensação de “como sou um idiota”. Pior de tudo é que este tipo de situação parece ser tão antiga como o próprio futebol profissional. Que lamentável!

*Em 1994 o Olympique de Marselha teve seu título da temporada 92/93 cassado e foi rebaixado, pois seu Presidente subornou jogadores do Valenciennes para perderem um jogo decisivo. Na Itália, em 2006, os poderosos Juventus, Fiorentina e Lazio foram rebaixados (Milan escapou no recurso) e a Juve perdeu dois títulos nacionais, por um esquema de corrupção na indicação de árbitros. Aqui em terra tupiniquim, o Campeonato Brasileiro de 2005 foi maculado com a anulação de onze partidas após a constatação de que o juiz Edilson Pereira de Carvalho estava envolvido em um esquema de manipulação de resultados.

Ilustração de Google Images.

Advertisements

06-04: Relação de “boleiro” com torcedor

As linhas: “ A irritação de Luis Fabiano tem a ver com informações divulgadas na imprensa sobre críticas que dirigentes do São Paulo estariam fazendo a ele nos bastidores. Ficou a impressão de que há no Morumbi cartolas interessados em minar seu trabalho…principalmente por Luis Fabiano frequentemente estar suspenso em jogos importantes do time. Após a vitória sobre o Bragantino, o atleta disse que ‘algumas coisinhas estão acontecendo. É o momento, o ambiente. São coisas que às vezes ficam minando o trabalho’. Nesse cenário, ele lembrou em entrevista que ‘abriu mão’ de muita coisa para voltar ao São Paulo e que recusou oferta do Corinthians, atual campeão da Libertadores e Mundial. “ (Fonte: Blog do Perrone, UOL)

As entrelinhas: Comentário de um internauta, publicado no mesmo blog, que mostra como o torcedor está vendo os nossos grandes jogadores:Ora bolas, Luis Fabiano está triste, com um salário de R$ 400 mil, com um carro que só usa para levá-lo ao treino de U$ 350 mil. Tristes, meus amigos estamos nós, aposentados, que trabalhamos a vida inteira, contribuindo ao INSS, e temos nossos salários defasados ano a ano, e não temos com quem reclamar. Nós não temos  nem direito de fazer uma greve, quem iria nos apoiar? Não temos assistência medica, o SUS, está ai para todos verem, vivemos na pendencia de algum filho poder ajudar-nos a sobreviver dignamente…e esse jogador de futebol que ganhou graciosamente o Dom do Senhor, vem dizer que está triste A distância (física) que separa os brasileiros comuns de nossos melhores jogadores que estão na Europa e as distâncias (financeira e de modo de vida) causadas por certa ostentação de pseudo craques acabou com a empatia que já houve entre o povo e – particularmente – nossa seleção.