11-04: A inflação do tomate

As linhas: ” Dilma já admite alta nos juros neste mês – Inflação em 12 meses rompe o teto da meta ao atingir 6,59%, e Planalto vê necessidade de BC reforçar sua credibilidade. O Planalto já trabalha com a possibilidade de o Banco Central elevar os juros na próxima semana, apesar de fazer uma avaliação positiva da inflação oficial de março. No mês passado, o IPCA avançou 0,47%, ante 0,60% em fevereiro. Mesmo com o rompimento do teto da meta –o IPCA em 12 meses atingiu 6,59% -, assessores presidenciais ponderam que o BC poderia esperar mais para decidir se sobe o juro diante de sinais de que a inflação deve seguir em queda. ” (Fonte: Folha de São Paulo)

As entrelinhas: O mais curioso desta subida persistente da inflação é que mais uma vez a alta nos preços dos alimentos aparece como o grande responsável pelos números. O valor do tomate cresceu 122% no último ano! Mas a realidade é que as autoridades da área econômica vem tratando pneumonia com simples aspirinas. Uma dose aqui, em forma de desoneração de impostos para uma área industrial específica, outra lá, com a diminuição acelerada dos juros para estimular artificialmente o consumo e assim por diante. Pelo jeito vamos continuar assim, sem mudanças de fundo (como as reformas tributária e previdenciária), que nunca saem dos planos e que poderiam efetivamente mudar a base de toda a nossa estrutura econômica, sem os sustos aplicados pelo tomate…

25-03: Collor, hoje, seria pizza…

As linhas: ” Pão e Circo – Em Brasília, as suspeitas de superfaturamento de preços atingem da suntuosa obra do Estádio Nacional à compra de alimentos básicos que compõem a merenda escolar (Veja, 20mar2013). No CNJ, Joaquim Barbosa ataca conluio de juízes e advogados – Em julgamento no CNJ, o presidente do Supremo diz que existem ‘decisões graciosas, condescendentes e fora das regras’ por causa da relação entre magistrados e defensores (Correio Brasiliense, 20mar2013). ” Lula levou diretor da Odebrecht em viagem oficial à África – Na única viagem internacional em que o ex-presidente Lula foi designado representante oficial do governo Dilma Rousseff, o petista pôs entre os membros da delegação um diretor da Odebrecht (Folha, 24mar2013, confirmando que a relação de Lula com empreiteiras é próxima: elas pagaram quase a metade de suas viagens internacionais como ex-presidente).

As entrelinhas: A velocidade e a profundidade com que se renovam os “malfeitos” (palavra celebrizada pela Presidenta Dilma) faz com que não haja tempo da população pensante do Brasil assimilar tanta informação. Fica a sensação de impunidade permanente e “não há o que se fazer”. Por isso entendemos, tivesse sido hoje a entrevista do falecido Pedro Collor à revista Veja publicada em 27/5/1992, seu irmão Fernando Collor de Mello continuaria Presidente até o final de seu mandato. Pois se até o líder dos “caras pintadas” de então, hoje Senador Lindbergh Farias, tornou-se o ex-Prefeito mais processado da cidade de Nova Iguaçu/RJ e é candidato potencial à Prefeitura do Rio de Janeiro… Novos tempos!

21-03: Choque de Poderes

As linhas: “A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia concedeu uma  liminar na noite desta segunda-feira que suspende os efeitos da nova lei dos  royalties do petróleo, que alterou os critérios de distribuição entre os  Estados. A liminar atendeu um pedido do governo do Rio de Janeiro, que entrou no  STF com uma ação direta de inconstitucionalidade contra a nova lei. A norma foi publicada no Diário Oficial da União na sexta-feira, 15. No mesmo  dia, os governos do Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo, principais  Estados produtores, recorreram ao STF contra as mudanças, como haviam anunciado  que fariam caso o Congresso derrubasse os vetos da presidente Dilma Rousseff.” (Fonte: Valor, anunciando decisão provisória sobre a polêmica discussão a respeito da distribuição dos royalties do petróleo)

As entrelinhas: Não vamos nos concentrar no debate sobre o tema da divisão dos royalties em si. Pessoalmente tenho opinião consolidada sobre isto: o sistema que está sendo aplicado para os campos de petróleo em produção fica como está, direito adquirido! Os royalties sobre novos campos, incluindo os do pré-sal entram em um sistema de partilha mais amplo. O que pretendo trazer à discussão é este salutar, porém delicado, exercício de  distribuição de forças entre os três Poderes da República. Há pouco tivemos o embate sobre a faculdade do Supremo em decidir pela cassação dos mandatos dos Deputados condenados no processo do “mensalão”. Agora este novo e importante assunto que impacta a economia do País todo é razão para decisões conflitantes entre Executivo, Legislativo e Judiciário. A acompanhar…